Ceará deverá pagar R$ 250 mil por morte de bebê que contraiu HIV

Bebê foi contaminado durante transfusão de sangue

O Estado do Ceará deve pagar indenização de R$ 250 mil a um casal que perdeu o filho depois que ele foi contaminado pelo HIV, durante transfusões de sangue em hospitais públicos. A decisão, da 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Ceará (TJCE), foi anunciada nesta segunda-feira (10). O Governo do Estado disse só vai se posicionar sobre a decisão depois que for notificado oficialmente.

Segundo o processo, a mulher foi internada no Hospital Geral de Fortaleza (HGF) para dar à luz. O bebê nasceu com saúde frágil e precisou permanecer no Centro de Terapia Intensiva (CTI) por dois meses. Ele foi submetido a 31 transfusões de sangue e recebeu alta no dia 3 de outubro de 2005. Em novembro, a criança piorou e foi levada ao Hospital Infantil Albert Sabin, onde recebeu mais três transfusões.

Dez dias depois, teve alta novamente. Como a situação se agravou, o bebê foi conduzido mais uma vez ao HGF. Depois de examinado, ficou contatado que o recém-nascido havia contraído o vírus HIV. Ele morreu no dia 6 de dezembro de 2005.

Alegando negligência do Estado na prestação dos serviços, os pais ajuizaram ação requerendo indenização por danos morais e materiais. Também juntaram provas de que não eram portadores da doença. Na contestação, o Estado defendeu ausência de comprovação dos fatos alegados e solicitou a improcedência do pedido de indenização.

Em setembro de 2011, o juiz da 2ª Vara da Fazenda Pública de Fortaleza, Francisco das Chagas Barreto Alves, condenou o Estado a pagar R$ 250 mil por danos morais, corrigidos a partir da data da morte do bebê. Ele julgou improcedente a reparação material porque os pais não juntaram nos autos comprovantes dos gastos feitos. Para modificar a sentença, o Estado argumentou que “vários motivos são apontados como a causa da morte”. Também requereu a redução do valor da condenação.

Ao analisar o caso, o desembargador Jucid Peixoto do Amaral disse ter sido comprovada “a negligência existente no serviço público prestado, uma vez que após realização de transfusões sanguíneas visando à recuperação do bebê, este contraiu o vírus HIV, ressaltando que seus pais não são portadores do vírus”. A indenização deve ser corrigida monetariamente.

Fonte: G1
<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari