“Falta marco regulatório para medicamentos complexos”

Segundo especialista, o padrão de aprovação para esse tipo de droga é o mesmo do genérico

O dinamismo da indústria farmacêutica coloca os medicamentos biológicos e complexos na berlinda. Para combater doenças crônicas e agudas, tais medicamentos despontam como tendência, entretanto, o Brasil carece de regulação, principalmente, para os complexos.

Diferente das drogas químicas comuns, que dão origem aos genéricos, e que possuem uma legislação consistente no País, os complexos – composto de diversas moléculas – estão à revelia da regulação, apesar de muitas indústrias estarem investindo em seu desenvolvimento.

Atualmente, para os biológicos – produzidos a partir de células vivas, como bactérias e fungos -, existe um padrão de aprovação. “A partir de um biológico não tem como fazer genérico, apenas biossimilar, mas existem regras. O problema está no complexo não biológico, pois, em tese, o padrão de aprovação é o mesmo do genérico. Ou seja, você está chamando um medicamento extremamente difícil de caracterizar de remédio para dor de cabeça, cujos critérios de liberação são simples”, afirma o diretor da Associação de Propriedade Intelectual de São Paulo, Benny Spiewak.

De acordo com Spiewak, tanto a indústria quanto os médicos aguardam iniciativa da Anvisa para que exista de fato três categorias. “Muitos médicos não prescrevem hoje por falta de segurança”, conta.

Biológicos

A falta de critérios claros não é particularidade do Brasil, não existe uma regulação específica para os complexos em nenhum País, porém, nos EUA, as regras para aprovação aproximam-se das exigidas para os biológicos. EUA, Japão e alguns países da Europa são os mais transparentes em termos de legislação, segunso Spiewak.

Para o diretor de Assuntos Regulatórios Estratégicos da Teva Neuroscience, Michael Nicholas, os parâmetros para a produção de biológicos também necessitam amadurecer de modo geral. Não existe uma padronização, por exemplo de nomenclatura. Os produtos equivalentes dos biológicos são chamados nos EUA e Europa de biossimilares ou follow on biologic. O Brasil os chama de novos biológicos; na índia de biogenéricos – termo inadequado do ponto de vista científico.

Para se ter uma ideia, estima-se que esse mercado movimente mais de US$ 100 bilhões. No Brasil, tais produtos representam 10% do mercado e 70% dos custos.

Fonte: Saúde Web / Verena Souza

<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari