Fusão de planos na mira do Cade

Setor vive processo de concentração. De 2003 até hoje, número de empresas em atividade caiu quase 30%

Mesmo com o recente cerco da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) às operadoras de planos de saúde, o setor continua preocupando. Dados da autarquia mostram que, desde 2003, o número de companhias em atividade caiu 29,3%, de 2.273 para as atuais 1.607. Esse processo de concentração acendeu o alerta do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), que dará prioridade ao tema nas sessões de julgamento deste ano. O órgão antitruste tem pelo menos 30 atos em análise sobre fusões e aquisições relacionados a planos de saúde e outros 70 sobre condutas anticompetitivas, como formação de cartéis e contratos de exclusividade com médicos. 

Um olhar apurado sobre o banco de dados da ANS mostra que as 35 maiores operadoras de planos de saúde e odontológicos do país atendem a 25 milhões de beneficiários - o que equivale a 52,2% do total de 47,8 milhões de clientes nas carteiras das empresas. As 10 maiores respondem por 15,5 milhões de pessoas ou 32,3% do total. A campeã em número de clientes é a Bradesco Saúde, com 3,1 milhões. Depois dela, destacam-se Intermédica Sistema de Saúde e Amil Assistência Médica Internacional, cada uma com aproximadamente dois milhões de beneficiários, segundo dados da agência. 

- Nem todo movimento de concentração é ruim em si. Mas há limites. E, nesse caso, precisamos acompanhar de perto - disse o novo presidente do órgão antitruste, Vinícius Carvalho. 
2 milhões podem ficar desassistidos 

Não bastasse o ritmo de concentração dos últimos anos, as previsões para o setor são pouco alentadoras. Ruy Coutinho, presidente da Latinlink Consultoria e ex-presidente do Cade, projeta que, nos próximos quatro anos, as dez maiores operadoras vão atender a 60% dos consumidores. A seu ver, esse processo será cada vez mais acelerado em função da crise econômica. Além disso, a própria regulação mais rigorosa da ANS deverá fazer com que um conjunto de empresas do universo atual não consiga seguir as regras da reguladora, sobretudo no que diz respeito a garantias financeiras. Conforme o GLOBO mostrou há duas semanas, atualmente, um total de 141 empresas insolventes podem deixar quase dois milhões de brasileiros sem assistência. Nas contas da ANS, geralmente, 63% das companhias não conseguem sair do buraco. 

- Nessa indústria, a liquidação de uma empresa causa uma turbulência infernal. É preciso evitar que aconteça o que está ocorrendo com a telefonia - afirmou ele. 

Desgastada com a burocracia para receber autorização para procedimentos, a comerciária Heveline Guedes, de 33 anos, não vê uma saída para o problema. Para conseguir marcar consultas ambulatoriais, em especialidades como clínica médica e ginecologia, ela diz que precisa esperar entre dois e três meses. 

- Só é possível ter atendimento no mesmo dia na emergência. Já liguei para clínicas e tentei marcar com o plano e havia vagas. Quando disse que era por convênio, a atendente disse que só teria espaço na agenda mais para frente. 

ANS tem estimulado concorrência 

A gerente comercial Aline Angélica Lima, de 31 anos, passou por três hospitais para fazer uma radiografia na filha, Amanda. Mesmo assim, com o convênio só conseguiu atendimento na emergência:

- O ideal é saber os lugares que atendem. Para marcar consulta, o prazo tem sido de até 60 dias. 
Depois de sentir febre e dor de cabeça, a estudante Ana Carolina Cardoso, de 17 anos, precisou passar por dois hospitais até conseguir atendimento. 

- Quando pagamos pela consulta particular, somos bem atendidos. Mas, pelo convênio, o atendimento tem piorado. O melhor mesmo é já saber que hospitais atendem pelo plano - disse.

O diretor-adjunto de habilitação de operadoras da ANS, Leandro Fonseca, observou que a agência tem tomado medidas para incentivar a concorrência, como a obrigatoriedade de as operadoras divulgarem os endereços dos profissionais de saúde. A seu ver, no entanto, mesmo com a crise, não cresce o número de empresas em dificuldade. Ele observou que, quando a análise diz respeito ao número de empresas com beneficiários, a queda foi de 1.418 para 1.371 desde 2003: 

- A preocupação do Cade é válida. Procuramos monitorar o grau de concentração desse setor e fazer com que os consumidores tenham mais informação. 

Para a Federação Nacional de Saúde Suplementar (FenaSaúde), o movimento está em consonância com um típico processo de consolidação de mercado e esse cenário não pode ser confundido com concentração.

Fonte: Portal G1



<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari