Greve de médicos-legistas deixa corpos no chão no IML de Alagoas

Justiça decretou a ilegalidade do movimento, mas sindicato recorreu

Corpos a céu aberto, caminhão alugado para acomodar cadáveres e vítimas de mortes violentas enterradas sem necropsia. Essas são algumas das consequências da greve de médicos-legistas no IML (Instituto Médico Legal) de Maceió, que já dura oito dias.

Segundo o diretor-geral do órgão, Luiz Mansur, os profissionais dizem que não há condições de trabalho no prédio. A falta d´água é frequente, moscas se acumulam no local e urubus sobrevoam o imóvel.

O governo alugou um caminhão de um frigorífico para armazenar os corpos, mas não chegou a usá-lo. Segundo um legista que não quis se identificar, o caminhão chegou sem serviço de refrigeração.

Mansur disse que o veículo não foi necessário porque os corpos começaram a ser liberados no domingo, sem perícia, por determinação da Secretaria da Defesa Social.

No sábado, a Justiça decretou a ilegalidade da greve, mas o Sindicato dos Médicos recorreu. O presidente da entidade, Welington Galvão, diz que o governo não apresentou outro local para fazer as perícias. O governo afirma que ainda busca uma solução.

Em Maceió, estão parados também os odontolegistas e os peritos criminais.

Fonte: Folha de S.Paulo / RICARDO RODRIGUES

<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari