Justiça obriga poder público a fornecer insumos para tratamento

A liminar com antecipação dos efeitos de tutela em favor da criança foi proferida na última sexta-feira

A União e o Governo do Distrito Federal foram obrigados pela Justiça a fornecer insumos para tratamento de saúde de J.M.M.B., que nasceu em 2010 e é portador de mielomeningocele com hidrocefalia, além de ter bexiga e intestinos neurogênicos. A liminar com antecipação dos efeitos de tutela em favor da criança foi proferida na última sexta-feira (11), depois de ação da Defensoria Pública da União no Distrito Federal (DPU/DF).

A despesa para comprar todo mês 120 fraldas descartáveis, 150 sondas de Nelaton, entre outros insumos, era muito grande para os pais da criança. O Centro de Saúde nº 08, de Ceilândia Norte, fornecia uma quantidade insuficiente para manter a saúde de J.M.M.B.

O defensor responsável pelo caso, Alexandre Mendes Lima de Oliveira, argumentou em sua ação que “o fornecimento do medicamento e dos insumos adequados ao quadro do paciente é imprescindível para que o Estado cumpra integralmente seu dever social, qual seja, proporcionar a todo e qualquer indivíduo desprovido de recursos financeiros, de forma igualitária, o acesso aos meios apropriados para proporcionar um correto controle da doença”.

Ele também usou o princípio do mínimo existencial para justificar a obrigação do Poder Público em fornecer insumos para a criança. Segundo este princípio, “não havendo comprovação objetiva da incapacidade econômico-financeira da pessoa estatal, inexistirá empecilho jurídico para que o Judiciário determine a inclusão de determinada política pública nos planos orçamentários do ente político”.

Esta interpretação da lei, segundo Alexandre Mendes, encontra amparo em decisões do Tribunal Regional Federal da 1ª Região, do Superior Tribunal de Justiça e do Supremo Tribunal Federal.

O juiz da 25ª Vara da Seção Judiciária do Distrito Federal acatou a argumentação da DPU/DF. O magistrado citou em sua decisão que “no plano internacional, o direito humano à saúde tem previsão no Pacto Internacional para os Direitos Econômicos Sociais e Culturais da ONU (Pidesc), e no Protocolo de San Salvador, adicional à Convenção Americana sobre Direitos Humanos, ambos tratados foram ratificados pelo Brasil, tendo ingressado no nosso sistema jurídico na condição de lei ordinária”.

Fonte: Âmbito Jurídico
<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari