Médicos obtêm vitória em disputa com planos

Norma baixada pela ANS atende demanda da categoria ao determinar que reajuste passará a ser regulado em contrato

O reajuste de médicos que trabalham para planos de saúde passará a ser regulado em contrato. A Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) publicou ontem uma instrução normativa com a determinação. Em abril, no mesmo dia de paralisação dos profissionais que atendem planos, representantes da categoria entregaram à ANS uma lista com reivindicações. Entre elas, a do reajuste previsto em contrato.

``Foi sem dúvida um avanço``, afirmou o diretor do Conselho Federal de Medicina, Aloísio Tibiriçá Miranda. Ele diz, no entanto, que a medida não é suficiente. ``Ela corre o risco de frustrar a expectativa dos profissionais.``

A instrução normativa dá quatro opções para o reajuste: índices de conhecimento público, um porcentual pré-fixado, variação pecuniária ou uma fórmula de cálculo específica. A adoção de uma das quatro alternativas fica a critério de médicos e das operadoras.

Para o CFM, a melhor alternativa seria a de o reajuste ser feito por meio de acordo coletivo entre profissionais e operadoras. Eles reivindicam também que o contrato determine a periodicidade do reajuste. A instrução proíbe que reajuste seja condicionado à sinistralidade das operadoras. A adaptação às novas regras tem prazo de 180 dias.


Fonte: LÍGIA FORMENTI / BRASÍLIA - O Estado de S.Paulo

<<Voltar para Notícias



Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari