Morte de hemofílico provoca crise no DF

Promotoria e governo trocam acusações

A morte de um paciente hemofílico em julho abriu uma crise entre o governo Agnelo Queiroz (PT) e a Promotoria de Saúde do Distrito Federal.

Geremias Cavalcante deu entrada num hospital na periferia de Brasília, após convulsão. Foi orientado a voltar para casa. Horas depois, retornou ao hospital, onde morreu de parada cardíaca causada por hemorragia cerebral.

A Promotoria entrou com ação de improbidade contra o secretário de Saúde, Rafael Barbosa, e um pedido de investigação criminal. No centro da crise, está o fechamento, neste ano, do núcleo de atendimento aos hemofílicos.

Para a Promotoria, o núcleo funcionava bem e não foi substituído por outro programa. O governador rebateu: disse que o núcleo foi fechado porque havia corrupção.

A hemofilia é causada pela falta de fatores que permitem a coagulação do sangue. Só a rede pública distribuiu as substâncias. Parentes de três pacientes se dizem ``desesperados`` com as mudanças.
Procurado, o secretário recomendou falar com Beatriz MacDowell, chefe do Hemocentro, que disse que provará os ``absurdos`` do promotor e que o atendimento melhorou.

Fonte: Folha de S.Paulo

<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari