Opinião: Médicos com nota vermelha

Correio Braziliense – Visão do Correio

A proliferação descontrolada de cursos superiores Brasil afora levou a resultado previsível. Formam-se profissionais sem condições de exercer a profissão: médicos incapazes de fazer diagnósticos, engenheiros que não calculam uma estrutura, professores que não sabem dar aula, jornalistas que não apuram nem escrevem uma reportagem. 

Há 18 anos, a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), por lei específica, realiza o Exame de Ordem. Com ele, avalia se o bacharel em direito está de fato munido de competência técnica para o exercício da profissão. O índice de aprovação não chega a 20% — demonstração de que as faculdades jogam no mercado brasileiros com diploma na mão, mas inaptos para elaborar petições e atender atos processuais.

O mau desempenho não se restringe aos formados em direito. Tramita no Congresso Nacional projeto de lei que cria exame semelhante para médicos. A iniciativa não constitui unanimidade. De um lado, encontram-se os que a aplaudem. Alegam que o médico lida com vidas. Sem preparo, mata e aleija. De outro, os que a rejeitam. Seria irresponsabilidade deixar o aluno concluir o curso e, só então, dizer-lhe que não poderá exercer a profissão. 

O Conselho Federal de Medicina ainda não tomou posição sobre o assunto. Mas conselhos regionais saíram na frente. O de São Paulo (Cremesp), por exemplo, aplica a prova desde 2005. Contudo, só este ano tornou-o condição para o registro profissional. No período em que era opcional, 4.821 estudantes se submeteram ao teste. Nada menos de 46,7% foram reprovados.

O percentual assusta. Assusta mais se pensarmos que só voluntários faziam a prova na certeza de que estavam preparados. Os outros fugiam da avaliação. Agora, todos serão testados. O realismo autoriza concluir que o retrato de corpo inteiro não será nada lisonjeiro. Mostrará jovens que fizeram o curso, se submeteram a provas regulares, foram considerados aptos, mas não estão. Impõe-se frear-lhes a caminhada até que se qualifiquem.

É lamentável que entidades de classe tenham de preencher o vácuo deixado pelo governo. O Executivo tem obrigação de fiscalizar a qualidade das instituições de ensino para evitar o baixo rendimento dos alunos. Ao omitir-se, permite que o mercado seja invadido por médicos, advogados, professores, jornalistas, sociólogos, tradutores e tantos outros incapazes de exercer a profissão. A necessidade de exame de proficiência é a confissão de que o Estado não faz a sua parte.


Fonte: Correio Braziliense

<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari