Para expor erro de Haddad, Prefeitura abre dado de paciente

Secretaria divulga prontuário a fim de contradizer homem que aparece na propaganda de TV petista reclamando de demora

A Prefeitura de São Paulo divulgou ontem dados do prontuário de um paciente do sistema público que expõem erro no programa eleitoral de TV de Fernando Haddad, candidato do PT. Segundo especialistas, a divulgação de dados médicos sem autorização do paciente configura quebra de sigilo.
No horário eleitoral petista, o caminhoneiro José Machado reclama do sistema municipal de saúde e diz que está aguardando há pelo menos dois anos para fazer uma cirurgia de catarata.

A reportagem do Estado questionou a Secretaria Municipal de Saúde sobre o problema. A assessoria de imprensa informou, então, que já havia consultado os dados do paciente na Unidade Básica de Saúde Guaianases 1 e no ambulatório de especialidades Jardim São Carlos e que a ``hipótese de diagnóstico`` não era catarata, mas pterígio - crescimento do tecido sobre a córnea.

A secretaria ainda questionou o fato de o paciente que aparece no programa de Haddad ter dito que estava na fila para receber a cirurgia de catarata. Segundo o órgão, não há filas para isso. Machado disse não ter dado autorização para a divulgação de seus dados.

Segundo o Conselho Federal de Medicina, é proibido que o médico, sem consentimento do paciente, revele o conteúdo de um prontuário ou de uma ficha médica. A revelação do segredo médico somente é permitida, diz o órgão, em casos extremos, como abuso sexual, aborto criminoso ou perícias médicas judiciais.

``É quebra de sigilo (divulgar sem autorização). O hospital ou o diretor técnico que responde por ele não pode falar da doença, por mais que o paciente esteja errado``, afirmou Renato Azevedo Júnior, presidente do Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo. Para Reinaldo Ayer, professor de Bioética da USP, ``caracteriza uma infração ética a divulgação do prontuário médico por parte do médico ou hospital, sem autorização``.

A Prefeitura de São Paulo é administrada pelo prefeito Gilberto Kassab (PSD), que apoia o candidato do PSDB, José Serra.

A campanha de Haddad minimizou a informação errada exibida em seu programa de TV. Afirmou que foi Machado quem afirmou ter catarata. Disse ainda que, provavelmente, ele não sabia a diferença entre catarata e a doença que de fato possui. Os petistas também atacaram a Prefeitura afirmando que o problema de Machado deveria ter sido resolvido independentemente do diagnóstico. ``Pterígio é mais simples que catarata``, disse Carlos Neder, vereador petista.

Segundo a assessoria de imprensa da secretaria, Machado fora atendido no dia 13 de janeiro no ambulatório de especialidades no Jardim São Carlos. Depois do atendimento, afirmou o órgão, ele foi encaminhado ao Cema (hospital de especialidades que é privado, mas que tem convênio com o governo). Teria sido atendido no dia 17 de janeiro, quando fora recomendado um novo exame nos olhos do paciente.

As informações sobre o prontuário do paciente foram passadas ao Estado por telefone pela assessoria de imprensa em dois contatos telefônicos. A assessoria afirmou que formalizaria as respostas mediante um pedido por escrito. A reportagem, então, enviou um e-mail solicitando informações sobre ``a fila para realizar o atendimento médico do sr. José Machado``.

Nota. A secretaria enviou nota oficial no início da noite na qual não detalhou, como no contato telefônico, o diagnóstico de Machado. Disse que a pasta ``iniciou uma averiguação``, ``como em todas as situações deste tipo``.

``A campanha do candidato Fernando Haddad colocou em seu programa de TV o depoimento do sr. J.M.S., que alega estar há dois anos aguardando por uma cirurgia de catarata e que já estaria com a visão prejudicada. Como em todas as situações deste tipo, a Secretaria Municipal da Saúde iniciou uma averiguação, até porque não há fila de espera para catarata na cidade de São Paulo``, informou a secretaria.

Ainda segundo a nota, ``o principal problema oftalmológico que afeta o paciente não é a catarata`` e que ``o paciente está sendo atendido e acompanhado pelo Cema``. A nota da secretaria também disse que ``o paciente necessita de um exame UBM (ultrassom de córnea), que não está incluído pelo Ministério da Saúde na Tabela do SUS``.

`Me disseram que é catarata`, afirma Machado

``O que me dizem é que é catarata, mas são os médicos que têm que me explicar o que é``, afirmou ao Estado o caminhoneiro José Machado, que gravou o depoimento para a propaganda de Fernando Haddad (PT). Machado conta que já foi ao Cema (hospital especializado que faz atendimentos pelo Sistema Único de Saúde) três vezes e não conseguiu uma explicação sobre seu problema. ``O pessoal da ótica diz que é catarata. Lá só me falavam para voltar outra vez.`` Machado afirmou que foi procurado ontem pela Secretaria Municipal da Saúde e que conseguiu marcar uma consulta. Questionado sobre como conheceu Haddad, ele disse que ``um pessoal que trabalha com ele me conhecia``. Machado diz que não autorizou acesso ao seu prontuário. / J.D. e I.P.

Fonte: Julia Duailibi e Isadora Peron, de O Estado de S.Paulo



<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari