Unimed patrocina encontros com juízes que discute ações judiciais

Operadora de planos de saúde leva magistrados ao Guarujá

Na última sexta-feira, o ministro Gilmar Mendes, do Supremo Tribunal Federal, presidiu um júri simulado sobre a judicialização da saúde, na Escola Paulista da Magistratura, em São Paulo.

O evento foi aberto por dois dirigentes da Unimed, cooperativa de médicos que opera planos de saúde e que patrocina encontros com magistrados para discutir o aumento das ações judiciais na área de saúde. Em agosto, cerca de cem juízes foram, num final de semana, a um congresso no hotel Casa Grande, no Guarujá. As despesas dos magistrados e dos acompanhantes foram pagas por operadoras de planos.

Os dois exemplos de lobby revelam a preocupação do setor privado com o aumento de processos e o risco para a saúde financeira do sistema.

A Unimed fez a ``Cartilha de Apoio Médico e Científico ao Judiciário``. No livreto, Caio da Silva Monteiro, diretor da empresa, diz que a intenção ``é proteger o Sistema Unimed das liminares que determinam atendimentos sem a contrapartida financeira`` e que ``existe tendência natural do Judiciário na intenção de proteger o consumidor em detrimento da operadora``.

Em 2010, o CNJ (Conselho Nacional de Justiça) recomendou encontros e convênios para que os juízes recebam apoio técnico ao julgar demandas urgentes relativas à saúde.

``Deixamos para o juiz essa imensa responsabilidade, e ele acaba não estando devidamente preparado``, diz Mendes. Em 2011, o ministro Dias Toffoli presidiu o júri simulado feito pela Unimed.
O congresso no Guarujá foi promovido pelo IESS (Instituto de Estudos de Saúde Suplementar), fundado por operadoras de planos. Teve apoio do Tribunal de Justiça de São Paulo. O ministro Marco Aurélio de Mello (STF) foi palestrante. ``A não ser o pernoite, nada mais é custeado pelos organizadores``, disse.

O desembargador Ivan Sartori dirigiu um dos painéis. Sua assessoria informou que ele não ficou no hotel. Alguns juízes que participaram de encontros promovidos pela Escola Paulista da Magistratura em fóruns no interior de São Paulo não sabiam que a Unimed era patrocinadora. Eles entendem como ``doutrinação`` a tentativa de padronizar decisões na primeira instância.

O CNJ diz que o Judiciário acumula 241 mil processos na área (dados de 2011).

OUTRO LADO
Desembargador diz que parceria é necessária


O desembargador Armando de Toledo, diretor da Escola Paulista da Magistratura, diz que o encontro no hotel Casa Grande foi ``uma troca de conhecimento, sem característica de doutrinação``.

``As conclusões serão úteis. É importante saber o que os grandes litigantes estão pensando``, diz. ``A parceria no custeio é necessária para o juiz ir [ao evento]``. Ele diz que não há como fazer os encontros durante a semana.

O juiz João Baptista Galhardo Júnior, assessor da presidência do TJ-SP, diz que instalou em Araraquara (SP) Câmara Técnica para auxiliar os juízes em decisões urgentes.

José Cláudio Ribeiro Oliveira, assessor jurídico da Unimed Brasil, diz que ``os juízes irão continuar a decidir com sua consciência`` e que o tipo de apoio aos eventos varia entre as unidades. A assessoria do STJ informou que o ministro Ricardo Villas Boas Cueva não quis se manifestar. O IESS não se pronunciou.

Fonte: Folha de S.Paulo / FREDERICO VASCONCELOS

Fonte: Âmbito Jurídico
<<Voltar para Notícias




Receba as nossas novidades em seu e-mail.
Nome:

Data de Nascimento:

Email:




Esclarecimento de quaisquer dúvidas, no prazo de 48 atendimento jurídico virtual(quarenta e oito) horas nas áreas trabalhista (preventiva e contenciosa) e da saúde, através de atendimento virtual.

MAIS

Avenida Paulista, 2.202 – conj. 31 - Cerqueira Cesar – São Paulo - CEP 01310-932
Telefone: (11) 4063-0693 - E-mail: mnmakino.direitomedico@gmail.com
Website desenvolvido por: Andréa Mari